domingo, 1 de novembro de 2009

PODCAST FARRA NO CINEMA EPISÓDIO 666 : ESPECIAL HALLOWEEN





Duração : 38 Minutos !
Falamos sobre alguns grandes filmes clássicos de Terror !
Participação de : 4fantasticos, Alex-L, Luiz, Kinslayer e como convidado especial o terrível moderador : Cezzarus Jameson-Guinness.

Para Baixar o Episódio 666 ( Arquivos Maiores com Alta Qualidade ):
http://www.4shared.com/file/145513077/bbd18187/Podcast_666_-_Hallowen_-_Alta_Qualidade.html

Adicionado também arquivos "light" para os Farristas que não tem uma banda larga "Infernal" :
http://www.4shared.com/file/145513073/bcbc459e/Podcast_666_-_Hallowen_-_Baixa_Qualidade.html

A História de um Podcast Amaldiçoado

         Gravamos esse programa na noite de quarta feira, para ir ao ar no sábado, como um programa especial para a noite do Dia das Bruxas. Durante as gravações, fizemos brincadeiras envolvendo o nome de demônios, mortos,  vampiros, múmias e outros seres do Inferno... nosso programa de gravação travou 6 vezes, inicialmente seriam 6 participantes ( o Skype deles não funcionou ), e parte da equipe não conseguiu ir até o fim das gravações nesse dia ( a Internet caia e não voltava ).
          Ele foi editado, e ficou pronto na manhã de sábado...
          Para surpresa de todos, à tarde, quando fomos disponibilizar o programa, os arquivos de áudio estavam corrompidos e sem condições de se ouvir nada.
          O programa que estamos disponibilizando aqui, é uma colagem de vários àudios originais, conseguidos com alguns participantes, que foi editado e montado de forma mais rápida possível.

Pedimos desculpas pelo atraso, e informamos que não realizaremos mais nenhum tipo de Programa Especial para datas de comemoração religiosas ou paranormais.

Equipe do Podcast FarraNoCinema

sábado, 31 de outubro de 2009

TOP: 15 Filmes de Vampiro

O vampiro está no cinema desde que as primeiras câmeras foram ligadas. Milhares de filmes, em todos os gêneros e quase todas as linguas já foram produzidos, com resultados ora brilhantes ora horríveis.

A lista que elaborei pretendeu ser "justa" no máximo possível, adequando alguns critérios: inovação de roteiro, adequação ao mito e critérios técnicos do filme (fotografia, direção, atuação dos protagonistas e coadjuvantes). É claro que por ser uma lista pessoal meu gosto também contou.

Em comemoração ao Halloween , vamos a lista:

15 - LONDON AFTER MIDNIGHT
(London After Midnight, 1927)

De: Tod Browning

Com: Lon Chaney, Marceline Day e Henry B. Walthall


14 - Quando Chega a Escuridão
(Near Dark, 1987)

De: Kahtryn Bigelow

Com: Adrian Pasdar, Jenny Wright, Lance Henriksen e Bill Paxton


13 - Dança dos Vampiros
(The Fearless Vampire Killers, 1967)

De: Roman Polanski

Com: Jack McGowran, Sharon Tate, Roman Polanski, Alfie Bass, Jessie Robins


12 - A Hora do Espanto
(Fright Night, 1986)

De: Tom Holland

Com: Chris Sarandon, William Ragsdale, Amanda Bearse, Stephen Geoffreys, Roddy McDowall, Jonathan Stark


11 - Nosferatu: O Vampiro da Noite
(Nosferatu - Phantom Der Nacht, 1979)

De: Werner Herzog

Com: Klaus Kinski, Isabelle Adjani, Bruno Ganz


10 - Deixe Ela Entrar
(Låt den Rätte Komma In, 2008)

De: Tomas Alfredson

Com: Kåre Hedebrant, Lina Leandersson


9 - Garotos Perdidos
(Lost Boys, 1987)

De: Joel Schumacher

Com: Jason Patric, Corey Haim, Dianne West, Kiefer Sutherland, Corey Feldman



8- Entrevista Com O Vampiro
(Interview With the Vampire, 1994)

De: Neil Jordan

Com: Tom Cruise, Brad Pitt, Antonio Banderas, Stephen Rea, Kirsten Dunst, Christian Slater


7- Martin
(Martin, 1977)

De: George A. Romero

Com: John Amplas, Lincoln Maazel, Christine Forrest, Elyane Nadeau, Tom Savini



6- Fome de Viver
(The Hunger, 1983)

De: Tony Scott

Com: Catherine Deneuve, David Bowie, Susan Sarandon, Cliff De Young


5- A Máscara do Demônio
(La Maschera del Demonio, 1960)

De: Mario Bava

Com: Barbara Steele, John Richardson, Andrea Cecchi


4- Drácula
(Dracula, 1931)

De: Tod Browning

Com: Bela Lugosi, Helen Chandler, David Manners, Dwight Frye


3- Drácula de Bram Stocker
(Bram Stoker's Dracula, 1992)

De: Francis Ford Coppola

Com: Gary Oldman, Winona Ryder, Keanu Reeves, Anthony Hopkins, Tom Waits


2- Horror de Drácula
(Horror of Dracula, 1958)

De: Terence Fisher

Com: Christopher Lee, Peter Cushing, Michael Gough



1- Nosferatu
(Nosferatu, eine Symphonie des Grauens, 1922)

De: F.W. Murnau

Com: Max Schreck, Gustav Von Wangenheim, Greta Schroder


Faltou algum ? Mande e-mail para farranocinema@gmail.com ou comente aqui embaixo.

Abraço !

Alexandre Landucci

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Ajudando os Amigos

Pessoal, seguinte.

Participei do podcast do pessoal do Senpuu, um site/blog especializado em tokusatsu (aquelas séries japonesas em live action no estilo Jaspion e Changeman). Por lá eu falei sobre um filme da série Kamen Rider.

Dêem uma ouvida por lá e apoiem o pessoal, porque o trabalho deles é muito bom.

Segue o link abaixo:

http://senpuu.com.br/2009/10/senpuucast-17-kamen-rider-the-first/


Alexandre Landucci

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

O Bonequinho Sonhou


Todo cinéfilo já sonhou com um filme que ainda não foi pra telona, mas que seria uma grande contribuição para a sétima arte. Seja a adaptação de um desenho, de um livro, ou apenas uma versão alterada de algum filme antigo.

Alguns diretores já confirmaram ser este tipo de cinéfilo, como por exemplo Peter Jackson, que além de diretor de Senhor dos Anéis é fã dos livros. Ou os irmãos Wachowski, que são fãs de Speed Racer...

Muitos amadores fazem edições ou curtas interessantes para esboçar esses sonhos ainda não realizados... Aqui vão alguns desses sonhos:


THUNDERCATS - Trailer feito por fãs:



Pra mim um dos trailers fictícios mais bem feitos!


MARY “PAVOROSA” POPPINS - Edição feita por fãs:



Depois de super nanny - Scary Nanny!


CALVIN AND HOBBES - Curta Francês:





Pra mim, um dos melhores quadrinhos!


LOBO: ESPECIAL DE NATAL PARAMILITAR - Curta de alta qualidade:






Gastam dinheiro fazendo ‘O cão do Drácula’ e ‘Superman lixo - o retorno’... Eu sou mais o maioral!!!


Então, camaradas, por enquanto sonhamos... Mas, aos poucos e com a ajuda da tecnologia, mais e mais sonhos vão passar para a telona! Só torçam para que os diretores não transformem seus sonhos em pesadelos!!!

Boris Old Buddy
Farrista Camarada

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Zoltan é só o começo ...outras pérolas em português.

Zoltan - O Cão Vampiro do Drácula é um título ruim, mas existem coisas muito piores traduzidas por aqui. Elaborei uma lista que mostra alguns desses títulos ruins. Eles podem ser mal traduzidos, não terem nada a ver com o filme, ou simplesmente uma porcaria.


SCREAM
PÂNICO

Da série: Será que fica bom hein ?


JAY & SILENT BOB STRIKES BACK
O IMPÉRIO (DO BESTEIROL) CONTRA ATACA

Da série: Vamos atingir o nicho.


MEMENTO
AMNÉSIA



Da série: Não vi o filme

CINDERELLA MAN
LUTA PELA ESPERANÇA

Da série: Acho esse título meio gay

TEEN WOLF
GAROTO DO FUTURO

Da série: Quero aproveitar a fama alheia

DOWN BY THE LAW
DOUNBAILÓ

Da série: Não sei traduzir. (Obs: a "tradução" desse filme não existiu, simplesmente pegaram o título em inglês e aportuguesaram)

THUNDERPANTS
PUM! EMISSÃO IMPOSSÍVEL

Da série: Tem como ser pior ?

Faltaram muitos é claro ... mas, ainda sim é uma pequena amostra dessa arte, aqui muito mal realizada.

Mande os outros títulos mal traduzidos para: farranocinema@gmail.com ou comente enbaixo.

Alexandre Landucci


terça-feira, 27 de outubro de 2009

TOP: 20 Mais Importantes Filmes de Guerra

No embalo de Bastardos Inglórios preparei uma listinha dos mais importantes filmes de guerra da história. Não são necessariamente os melhores, embora quase todos entrariam numa lista de melhores, mas os mais importantes. Sejam por retratar com fidelidade um momento histórico ou por apresentar inovações técnicas, de roteiro, grandes interpretações ou conceitos novos e inusitados.

Divirtam-se !


1 - APOCALYPSE NOW
(Apocalypse Now, 1979)

Dir: Francis Ford Coppola


Com: Martin Sheen, Robert Duvall, Frederic Forrest, Sam Bottoms, Laurence Fishburne, Albert Hall, Dennis Hopper e Marlon Brando.




O horror... o horror. Apocalypse Now não é só o mais importante filme de guerra de todos os tempos, mas um dos maiores filmes de todos os tempos. A precisão cirúrgica com que Coppola entrega essa obra de arte (poucas vezes a palavras coube tão bem). Muito além das convenções morais ou consciências de lados do combate, nesse filme todo o conjunto social e psicológico da guerra é apresentado. Traumas, vitórias, derrotas, os simples prazeres e o temor obsessivo da morte. E Brando... poderoso, magnético e superlativo.

 

2 – SEM NOVIDADES NO FRONT
(All Quiet on the Western Front, 1930)

Dir: Lewis Milestone


Com: Louis Wolheim, Lew Ayres, John Wray




“This story is neither an accusation nor a confession, and least of all an adventure, for death is not an adventure to those who stand face to face with it. It will try simply to tell of a generation of men who, even though they may have escaped its shells, were destroyed by the war...” (Tradução livre: Essa história não é uma acusação tampouco uma confissão, e menos ainda uma aventura, pois a morte não é uma aventura para aqueles que a enfrentam cara a cara. O filme tentará simplificar uma história e contá-la para uma geração de homens que, mesmo escapando das balas, foram destruídos pela guerra...)


Com essa frase o libelo anti-belicista mais fabuloso do cinema se inicia. Lewis Milestone ousou contar em 1930 essa poderosa história de guerra entre jovens alemães que venceram a batalha da vida nas trincheiras da primeira guerra mundial. Um grito contra toda e qualquer forma de guerra, uma bandeira branca tremulando contra as misérias que os homens são afligidos.

3 – GLÓRIA FEITA DE SANGUE
(Paths of Glory, 1957)

Dir: Stanley Kubrick


Com: Kirk Douglas, Ralph Meeker, Adolphe Menjou, George Macready




O que define o homem ? Para Stanley Kubrick são as escolhas que fazemos para defendermos nossos ideais, mesmo frente a morte. A história do Coronel Dax (Kirk Douglas) que ousa defender a vida frente a imbecilidade da morte é dura e amarga. A técnica do mestre aqui atinge os primeiros picos de total brilhantismo. Como não esquecer da amedrontada alemã que canta para entreter uma tropa aliada. Stanley Kubrick é gênio.



4 – O GRANDE DITADOR
(The Great Dictator, 1940)

Dir: Charles Chaplin


Com: Charles Chaplin, Paulette Godard, Jack Oakie, Reginald Gardiner, Henry Daniell, Billy Gilbert, Grace Hayle, Carter DeHaven.




Quando imagina-se a figura mítica de Chaplin, algumas imagens sempre vem a tona. Encolhido no frio em Em Busca do Ouro, abraçando o jovem menino em O Garoto e ... a dança do globo terrestre. O Grande Ditador resume tudo o que foi Charles Chaplin, inteligente e sagaz, sempre a procura de idéias e conceitos novos e humano. Muito humano. O maior dos depoimentos satíricos sobre a guerra é tão doce e pungente, quanto é ácido nas críticas (claramente) diretas ao nazismo. Quem não viu, precisa ver.

 5 – DOUTOR FANTÁSTICO
(Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb, 1964)



Com: Peter Sellers, George C. Scott, Sterling Hayden, Keenan Wynn, James Earl Jones




Se em Glória Feita de Sangue, Kubrick (apesar de não ter nenhum envolvimento com o roteiro) disse que o homem se define por suas escolhas perante ao mais eminente perigo, em Doutor Fantástico diz que o homem com poder não passa de um completo idiota. Essa é a maior sátira a Guerra Fria, ao momento político de total tensão que norte-americanos e russos viveram por quase quarenta anos. É também um tratado sobre a imbecilidade do homem. A sátira é brutal (e convincente: diz a lenda que Reagan ao chegar ao poder em 81 perguntou aos seus “milicos” onde ficava a tal sala de guerra citada no filme), Peter Sellers atinge o máximo que um ator consegue ao se dividir em 3 papéis completamente diferentes e atingir o ápice em todos eles. George C. Scott é tão exagerado que sua atuação beira o “overacted”. Curiosidade: Kubrick era tão obcecado pela perfeição absoluta que leu cerca de 50 livros sobre guerra nuclear.
6 – CRUZ DE FERRO
(Cross of Iron, 1977)

Dir: Sam Peckinpah


Com: James Coburn, Maximillian Schell, James Mason, David Warner, Klaus Löwitsch, Vadim Glowna, Roger Fritz, Dieter Schidor.




Sam Peckinpah era um diretor conhecido por sua abordagem crua da violência na tela. Peckinpah era um (senão for o primeiro) esteta da violência. Suas obras eram cruas, amargas e extremamente poderosas. Cruz de Ferro é um desses exemplos. Corajoso ao abordar os soldados nazistas como seres humanos e não monstros sedentos por sangue como o imaginário popular os pintou. Obviamente a desvirtuação dos “valores americanos” não foi bem sucedida em termos de bilheteria, mas marcou o mundo por ser corajosa e atemporal. Como disse Bertorl Brecht : “Não se alegre com a derrota dele, jovem. Embora o mundo, erguendo-se tenha derrubado o canalha, a cadela que o gerou está no cio de novo".


7 – ROMA, CIDADE ABERTA
(Roma, Città Aperta, 1945)

Dir: Roberto Rossellini


Com: Aldo Fabrizi, Anna Magnani, Marcello Pagliero




Um marco. Como pode um filme tão “toscamente” produzido (usando até soldados nazistas presos como extras) ser tão maravilhoso. É o drama do homem comum perante ao terror da guerra. É o símbolo do neo-realismo italiano e o símbolo de um país ressentido com seu papel perante a guerra. É a história de um povo humilhado diante do mundo e que busca esperança mesmo quando ela não exista.


8 – A VIDA É BELA
(La Vita È Bella, 1997)

Dir: Roberto Benigni


Com: Roberto Benigni, Nicoletta Braschi, Giorgio Cantarini




A comédia é um dom de poucos. Fazer rir é uma tarefa muito complicada, ainda mais quando estamos em situações delicadas em nossas vidas. Fazer rir numa situação extrema é quase divino. Roberto Benigni foi divino ao viver Guido o judeu que cria a “loteria” dentro do campo de concentração apenas para não entristecê-lo frente a guerra. Sublime, tocante e engraçado. Benigni nos faz rir até do pior dos pesadelos.


9 – VÁ E VEJA
(Idi I Smotri, 1980)

Dir: Elem Klimov


Com: Aleksei Kravchenko, Olga Mironova, Liubomiras Laucavicius, Vladas Bagdonas




De todos os filmes apresentados esse talvez seja o mais perturbador. Realmente Elem Klimov não poupa o espectador de nenhum detalhe violento ou cruel. A jornada de Florya, um rapaz que depois de se perder de seus “seqüestradores” nazistas vaga pelas planícies da Bielo-Rússia encontrando as mais inacreditáveis imagens de morte, dor e surrealismo diante da guerra. É um filme que não tenta mostrar heróis, nem reacender a chama de nenhuma pátria. Trata apenas da guerra como ela é: uma fazedora de vítimas.


10 – A BALADA DO SOLDADO
(Ballada O Soldate, 1959)

Dir: Grigori Chukrai


Com: Volodya Ivashov, Zhanna Prokhorenko, Antonina Maksimova




A história do soldado que ganha a chance de rever sua mãe do interior da União Soviética é a visão de um país perante ao conflito. A jornada do soldado é belamente contada como uma balada (daí o título) de final obviamente triste. Um estudo profundo sobre como o homem pode ser alijado de seus sonhos com o cair de bombas.


11 – PLATOON
(Platoon, 1986)

Dir: Oliver Stone


Com: Tom Berenger, Willem Dafoe, Charlie Sheen, Forest Whitaker, Francesco Quinn, John C. McGinley, Richard Edson, Kevin Dillon, Johnny Depp




Oliver Stone é um sujeito politizado e com uma visão do mundo muito particular. Em Platoon, sua mira aponta para a falsa idéia de patriotismo que sempre acompanha qualquer guerra ianque. Stone realizou três filmes com ambientação no Vietnã. Entre o Céu e a Terra versa sobre o amor vencendo a guerra, Nascido em 4 de Julho enfoca no retorno de um herói de guerra destroçado por ela e Platoon fala sobre o evento em si. Muito do que está na tela é autobiográfico e baseado nas experiências que o diretor teve enquanto serviu. Baseado nesse recorte de tempo, a guerra não passa de uma briga de egos entre os “senhores da guerra” enquanto os soldados se matam por nada.


12 – A GRANDE ILUSÃO
(La Grande Illusion, 1937)

Dir: Jean Renoir


Com: Jean Gabin, Dita Parlo, Pierre Fresnay, Erich Von Stroheim




Nunca um título refletiu tanto o conteúdo de seu produto como A Grande Ilusão. E qual seria essa ilusão ? Várias respostas podem ser dadas. É ilusório pensar que as diferenças entre classes e pensamentos mudam o cerne do ser humano. É ilusório pensar que a guerra poupa os mais abastados e que eles serão “os eleitos” mediante ao terror. Jean Renoir entrega seu filme mais humano e mais bonito. Fala de amizade, que transcende lados e partidos.


13 – O RESGATE DO SOLDADO RYAN
(Saving Private Ryan, 1998)

Dir: Steven Spielberg


Com: Tom Hanks, Matt Damon, Tom Sizemore, Edward Burns, Barry Pepper, Adam Goldberg, Vin Diesel, Giovanni Ribisi, Jeremy Davies




A história aparentemente banal do resgate de um soldado comum, vai bem mais fundo do que aparenta. Trata da visão de um homem perante ao conflito, e de como uma atitude pode ajudar o homem a se transformar. Nunca antes a guerra foi filmada de forma tão visceral e realista. Spielberg nos entrega o inferno e aos poucos nos apresenta as escadas para o céu.


14 – A BATALHA DE ARGEL
(La Battaglia di Algeri/Maarakat Madinat al Jazaer, 1966)

Dir: Gillo Pontecorvo


Com: Brahim Hadjadj, Jean Martin, Yacef Saadi




Poderoso documento de um momento histórico importante, Batalha de Argel mostra a revolução argelina que deu a independência ao país. Pontecorvo usou muitos atores amadores e documentou (as palavras se encaixam perfeitamente) o evento. A força de uma idéia é ainda uma poderosa.


15 – A LISTA DE SCHINDLER
(Schindler’s List, 1993)

Dir: Steven Spielberg


Com: Liam Neeson, Ben Kingsley, Ralph Fiennes, Caroline Goodall, Jonathan Sagall, Embeth Davidtz, Malgoscha Gebel, Shmuel Levy, Mark Ivanir




A obra-prima de Spielberg, que exorcisou seus medos e que lhe deu credibilidade diante a Academia. Oskar Schindler não foi o santo que Spielberg pintou em preto e branco, mas não era essa a idéia dele. Sua idéia era a de mostrar (de forma muito bem sucedida) o Holocausto. Mostrar como o ser humano pode ser tocado pelo horror ao seu redor e agir em benefício do bem comum. Uma mensagem muito importante e que foi absorvida.


16 – RAN
(Ran, 1985)

Dir: Akira Kurosawa


Com: Mieko Harada, Tatsuya Nakadai, Akira Terao, Jinpachi Nezu, Daisuke Hyu, Hisashi Ikawa.




O épico medieval (e de guerra sim!) do mestre da poesia Akira Kurosawa é sua versão para Rei Lear de Shakespeare. Esse filme talvez seja o que melhor demonstre todas as técnicas que o mestre acumulou por toda sua vida. Foram 10 anos de preparação para que a obra-prima de Kurosawa visse a luz do dia. E valeu a pena esperar. Lindo e ao mesmo tempo violento e beirando o sublime.


17 – O FRANCO ATIRADOR
(The Deer Hunter, 1978)

Dir: Michael Cimino


Com: Robert De Niro, John Cazale, John Savage, Christopher Walken, Meryl Streep, George Dzundza, Chuck Aspegren, Shirley Stoler, Rutanya Alda




O primeiro filme americano sobre o conflito no Vietnã permanece como um dos maiores exemplares do que a guerra pode causar ao homem. A dor física apesar de presente não é enfocada, deixando-a em segundo plano diante dos problemas emocionais que ela causa. Caustico, soberbo e eterno.


18 – NASCIDO PARA MATAR
(Full Metal Jacket, 1987)

Dir: Stanley Kubrick


Com: Matthew Modine, Adam Baldwin, Vincent D’Onofrio, R. Lee Ermey, Dorian Harewood, Kevin Major Howard, Arliss Howard, Ed O’Ross, John Terry, Kieron Jecchins




O que é mais brutal ? A Guerra ou a formação de um guerreiro. Em seu terceiro filme abordando a guerra, Kubrick quer responder a essa pergunta. O que é mais doloroso ? O treinamento psicótico e doentio ou a possibilidade da morte a cada segundo ? A desumanidade do treinamento é posta em ação na batalha e os resultados são óbvios.


19 – A PONTE DO RIO KWAI
(The Bridge on the River Kwai, 1957)

Dir: David Lean


Com: William Holden, Alec Guiness, Jack Hawkins, Sessue Hayakawa, James Donald, Geoffrey Horne, André Morell, Peter Williams, John Boxer.




A liderança não implica apenas em ser correto em suas atitudes mas se sacrificar pelo homens. Ponte do Rio Kwai , incluindo sua brilhante parte técnica, é um épico sobre honra mesmo nos lugares onde ela não existe. Alec Guiness interpreta com tamanha paixão que por mais que “torçamos” para que os aliados logo cheguem e salvem os prisioneiros, ficamos torcendo por aquele homem em seu hercúleo trabalho de construir uma ponte.


20 – OS DOZE CONDENADOS
(The Dirty Dozen, 1967)

Dir: Robert Aldrich


Com: Lee Marvin, Ernest Borgnine, Charles Bronson, Jim Brown, John Cassavetes, Richard Jaeckel, George Kennedy, Robert Ryan, Telly Savallas, Donald Sutherland




O mais “cool” dos filmes de Guerra. A maior reunião de bad-asses da história do cinema é uma tremendo espetáculo de cor, dor, sangue e diversão. Os doze homens condenados são amorais, violentos, grosseiros e estúpidos. Mas isso nada importa, nós torcemos por eles como se fossem doze Supermans.




É isso ai pessoal, faltou algum ? Que filme deveria estar na lista ?


Nos escrevam ( farranocinema@gmail.com ) ou comentem ai embaixo.


Abraço !


Alexandre Landucci

Mostra de Cinema de São Paulo

Começou na última sexta feira a mais antiga mostra de cinema do país, a Mostra de Cinema de São Paulo.

Em sua trigésima terceira edição a mostra apresenta MUUUUITA coisa, nem todas dignas de nota é verdade, mas algumas boas opções.

Selecionei as minhas favoritas que espero conseguir ver.

35 Doses de Rum (35 Shots of Rum)
de Claire Denis
Com: Alex Descas, Mati Diop e Grégoire Colin

500 Dias Com Ela (500 Days of Summer)
de Marc Webb
Com: Joseph-Gordon Levitt, Zooey Deschanel e Geoffrey Arend

8 Mulheres (8 Femnes)
de François Ozon
Com: Catherine Deneuve, Isabelle Huppert e Emmanuelle Beart

 À Procura de Eric (Looking For Eric)
de Ken Loach
Com: Steve Evets, Eric Cantona e Stephanie Bishop

A Todo Volume (It Might Get Loud)
de David Guggenheim
Documentário com: The Edge, Jimmy Page e Jack White

Aconteceu em Woodstock (Taking Woodstock)
de Ang Lee
Com: Demetri Martin, Imelda Staunton e Emile Hirsch

Bathory (Bathory)
de Juraj Jakubisko
Com: Anna Friel, Karel Roden e Vincent Regan

Colin (Colin)
de Marc Price
Com: Alastair Kirton, Daisy Aitken e Leanne Pammen

Distante Nós Vamos (Away We Go)
de Sam Mendes
Com: John Krasinski, Maya Rudolph e Jeff Daniels

Dorfpunks (Dorfpunks)
de Lars Jessen
Com: Cecil von Renner, Ole Fischer, Pit Bukowski e Daniel Michel

Elevador Armadilha (Elevator Trap)
de Keisuke Horibe
Com: Masaaki Uchino e Aimi Satsukawa

Emigrantes, Os (Utvandrarna)
de Jan Troell
Com: Liv Ullman, Max von Sydow e Eddie Axberg

Ervas Daninhas (Les Herbes Folles)
de Alain Resnais
Com: Emmanuele Devos e Sabine Azéma

Eu, Ela e Minha Alma (Cold Souls)
de Sophie Bartes
Com: Paul Giamatti, Dina Korzun e Emily Watson

Fantástico Sr. Raposo, O (Fantastic Mr. Fox)
de Wes Anderson
Animação com as vozes de: Bill Murray, George Clooney e Jason Schwartzman

Fish Tank (Fish Tank)
de Andrea Arnold
Com: Katie Jarvis, Michael Fassbender e Rebecca Griffths

Fita Branca, A (Das Weisse Band)
de Michael Haneke
Com: Christian Friedel, Leonie Benesch e Ulrich Tukur

Hotel Atlântico (Hotel Atlântico)
de Suzana Amaral
Com: Júlio Andrade, João Miguel, Mariana Ximenes e Gero Camilo

I Love You Phillip Morris (I Love You Phillip Morris)
de Glenn Ficara e John Requa
Com: Jim Carrey, Ewan McGregor e Rodrigo Santoro

Lebanon (Lebanon)
de Samuel Maoz
Com: Oshri Cohen, Michael Moshonov e Yoav Donat

London River (London River)
de Rachid Bouchareb
Com: Brenda Blethyn, Sotigui Kouyaté e Francis Magee

Maradona (Maradona by Kusturica)
de Emir Kusturica
Documentário

Menino Peixe, O (El Nino Pez)
de Lucía Puenzo
Com: Inés Efron, Mariela Vitale e Carlos Bardem

Mother (Madeo)
de Bong Joon-ho
Com: Kim Hye-ja e Won Bin

Mundo Imaginário de Dr. Parnassus, O (The Imaginarium of Doctor Parnassus)
de Terry Gilliam
Com: Johnny Depp, Heath Ledger e Jude Law

Nova Terra, A (Nybyggarna)
de Jan Troell
Com: Liv Ullman, Max von Sydow e Eddie Axberg

Passo Suspenso da Cegonha, O (To Meteoro Vima Tou Pelargou)
de Theo Angelopoulos
Com: Marcello Mastroianni, Jeanne Moreau e Gregory Karr

Pocilga (Porcile)
de Pier Paolo Pasolini
Com: Pierre Clemente, Franco Citti e Ugo Tognazzi

Primata, O (Apan)
de Jesper Ganslandt
Com: Olle Sarri, François Joyce e Sean Pietrulewicz

Quem o Viu Morrer ? (Ole Dole Doff)
de Jan Troell
Com: Per Oscarsson, Ann-Marie Gyllenspetz e Per Sjostrand

Ressureição de Adam, A (Adam Ressurected)
de Paul Schrader
Com: Jeff Goldblum, Willem Dafoe e Derek Jacobi

Ricky (Ricky)
de François Ozon
Com: Alexandra Lamy, Sérgi Lopez e Arthur Peyret

Sede de Sangue (Bak-Jwi)
de Park Chan-Wook
Com: Song Kang-ho, Kin Ok-vin e Kim Hae-sook

Seguindo em Frente (Aruitemo Aruitemo)
de Hirokazu Kore-eda
Com: Hiroshi Abe, Kirin Kiki e Yoshio Harada

Soul Kitchen (Soul Kitchen)
de Fatith Akin
Com: Birol Unel, Udo Kier e Dorka Gryllus

Tokyo ! (Tokyo !)
de Bong Joon Ho, Michel Gondry e Leos Carax
Com: Ayako Fujitani, Ryo Kase e Ayumi Ito

Tudo Que No Cerca (Gururi No Koto)
de Hashiguchi Ryosuke
Com: Lily Franky e Tae Kimura

Vencer (Vincere)
de Marco Bellocchio
Com: Filippo Timi, Michela Cescon e Corrado Invernizzi

Vício Frenético (Bad Lieutenant: Port of Call New Orleans)
de Werner Herzog
Com: Nicolas Cage, Eva Mendes e Val Kilmer

Vida Privada de Pippa Lee (The Private Lives of Pippa Lee)
de Rebecca Miller
Com: Robin Wright Penn, Winona Ryder, Alan Arkin, Monica Bellucci, Maria Bello, Julianne Moore, Keanu Reeves e Mike Binder

Voluntária Sexual (Sex Volunteer)
de Cho Kyeong-duk
Com: Han Yeo-rum, Cho Kyeong-ho e Hong Sung-ki

Zapping-Alien@Mozart-Balls
de Vitus Zeplichal
Com: Helmut Berger, Susanne Schafer e Julia Gschnitzer

Faltou algum ? Comentem ai embaixo... ou mandem e-mail para: farranocinema@gmail.com

Alexandre Landucci